Peru (Cusco, Aguas Calientes – Machu Picchu, e Ollantaytambo)

Viagem feita em setembro de 2013  sozinha e no estilo mochilão.

Do Brasil, saindo de São Paulo, fui direto para Cusco, pois tinha só uma semana para a viagem e é a cidade com o aeroporto mais próximo do objetivo principal que era Machu Picchu.
Fui com hostel reservado, trem de Cusco para Aguas Caliente (povoado de Machu Picchu) e ingresso de entrada no parque Machu Picchu com Wayna Picchu ( a montanha que fiz questão de subir – é a famosa montanha que compõe a maioria das fotos tiradas por lá e podem subir somente 400 pessoas por dia. Por isso comprei com um mês de antecedência).
image4

Em Machu Picchu com a Wayna Picchu de fundo.

O meu maior receio em viajar sozinha pela primeira vez era de ficar doente ou passar mal e não ter a quem recorrer. Já tinha lido e ouvido falar sobre o mal de altitude, mas não pensei que ele fosse tão certeiro e rápido de sentir. Ledo engano rs… Assim que desembarquei em Cusco senti uma tontura que ignorei de início, mas que foi seguida por um enjoo e forte cansaço. Ao sair do avião somos recebidos com folhas de Coca para mastigá-las e aliviar o Soroche, o mal de altitude. Ele pode dar tontura, enjoo, náuseas e dificuldade para respirar (um cansaço que durou a viagem toda). Aprendi com as chilenas que conheci no hostel a preparar o meu chazinho de Coca e elas também me indicaram umas pílulas que reduzem o efeito. Parti para a farmácia e pude aproveitar a minha viagem tranquilamente.
FullSizeRender (1)

Contra o mal de altitude: chá de Coca e pílulas mágicas!

Dia 1 – Em Cusco fiquei uma noite e um dia completo antes de seguir. Na primeira noite apenas jantei um BBQ vegetariano no hostel e recuperei minhas energias pós viagem.
Dia 2 – No dia seguinte saí cedo para fazer o câmbio das moedas e  comprar o meu Boleto turístico (Dá direito a várias atrações e facilita a vida do viajante).
Feito isso fui até a bela Plaza das Armas, e lá nos arredores tem uma legião de agências de turismo que agendam tours. Agendei um tour para o mesmo dia nas ruínas de Saqsaywaman e Qenqo, e para outros pontos históricos. Valeu muito à pena custo benefício. Voltei apenas no final do dia com direito a janta em restaurante vegetariano encontrado por acaso nas ruelas de Cusco! Para os vegetarianos uma informação: comi muito bem no Peru! Achei mais opções por lá do que costumo encontrar em São Paulo.
Dia 3 – Para embarcar de trem com destino a Aguas Calientes na manhã seguinte fiz uma pequena mochila para 2 dias e meio e deixei o resto no locker do hostel. Eles estão acostumados a isso, pois as pessoas geralmente vão até Machu Picchu e retornam para Cusco.
image1 (2)

No trem que sai de Poroy (Estação mais próxima à Cusco) com destino à Aguas Calientes.

 

image2

A paisagem na viagem de trem dispensa comentários!

A viagem não é longa, cerca de 3 horas com muito conforto e lanchinho.
Em Aguas Calientes dei uma volta na cidade que é pequena e cercada por um rio.  Tem piscinas de águas termais também, mas não me interessei em ir conhecer. Dei uma volta na cidade e tive alguns aborrecimentos. Por favor, não comprem com cartão de crédito nas barraquinhas! A máquina da vendedora estava demorando e ela desligou e queria passar de novo, mas eu vi que tinha concluído a compra! Não sei se era golpe ou se ela era muito burra, mas fiz ela ligar para cancelar a compra no cartão. Saí chateada, pois não tinha um comprovante do estorno, mas no fim deu certo! Ufa, ufa!
Dia 4 – Para ir a Machu Picchu costuma-se acordar muito cedo, e os hostels já estão acostumados a servirem o café da manhã no primeiro horário, em torno das 4h da manhã. Tome seu café e vá para o ponto dos ônibus para subir para Machu Picchu caso não queira ir a pé, como muitos fazem. O bilhete é ida e volta e pode ser comprado com antecedência ou na hora. A fila é grande, mas não demora.
Chegando no parque há uma generosa fila, mas com grande fluxo e centenas de guias locais oferecendo seus serviços na porta. Como o meu horário para subir a Wayna Picchu era o das 7h eu dei uma admirada breve, pois o cenário é impressionante demais, e corri para a entrada da montanha! Estava com receio de subir a montanha sozinha, pois ela tem trechos bem perigosos e escadas estreitas, que foram construídas pelos Incas, além de relatos que tinha lido antes de gente que travava e não conseguia subir e a surpresa de algumas pessoas que conheci na viagem quando eu contava que subiria. Isso foi me dando um certo pavor, confesso rs… Por sorte ouvi um grupo de brasileiros na fila e me aproximei. Eles tinham contratado um guia local e me convidaram pra dividir com eles o valor. O que foi ótimo, pois a subida não foi nada fácil. Falta ar pela altura que estamos e são cerca de 2h de uma difícil subida, porém não é impossível. Senti medo, mas enfrentei e valeu muito a pena! Parece um sonho ter a oportunidade de ver aquilo com os próprios olhos.
image3

Muito feliz e grata por estar ali!

A noite peguei um trem em direção a Ollantaytambo, a única cidade Inca que ainda é habitada.
Dia 5 – Em Ollantaytambo fiquei em um hostel que tinha uma vista espetacular.
ollantaytambo-janela

Amanhecer com a vista das ruínas Incas!

 

Durante o dia visitei as ruínas vista pela minha janela e conheci a cidade. Depois acertei com um taxista a volta para Cusco e passeio por uns pontos que ficavam no caminho até lá.
marasymoray

Maras y Moray e o sistema de agricultura Inca.

image7

Trabalhador nas salinas de Maras. É tudo sal! Experimentei rs

valesagrado.jpg

Vale Sagrado

chinchero.jpg

Chinchero é muito alto! Me encostei para descansar. Faltava ar!

Dia 5 – Voltando para Cusco aproveitei um pouco a cidade, visitei o mercado municipal e experimentei algumas bebidas locais. Tomei a Chicha Morada (suco do milho roxo – Muito doce!) e o famoso Pisco Sour (Delícia!).
 As baladas de Cusco são  legais, as pessoas ficam em uma competição entre elas chamando para você entrar e geralmente é um VIP rs… você entra em quantas quiser por noite e ainda ganha drink (não será um Pisco Sour, tá rs).
cuzco

Descobrindo as ruas de Cusco.

Como mulher viajando sozinha não passei por apuros, basta ter precaução como teria em qualquer outro lugar. As pessoas costumam ser hospitaleiras.
 A viagem vale muito a pena, é um lugar mágico! E não é só o lugar, as pessoas complementam isso tudo. O povo de lá tem muito orgulho de sua história e passam muita emoção ao falar dos seus ancestrais. É algo único!
 Moeda local:
Soles
Hospedagem:
Atrações:
  • Ingresso antecipados Machu Picchu +Wayna Picchu  ( Na época paguei uns 25 dólares a mais pois comprei por paypal de uma agência de lá – fui na sorte porque meu o cartão não concluía a compra direto do site oficial. Esse post do Sundaycooks me ajudou muito com relação a isso.

Relacionados:

Fiz um comentário em um blog de viagem que eu sigo, o 360 meridianos, em um post que falava sobre mulheres viajando sozinha. E eles montaram um outro post onde incluíram o meu comentário e o de outras mulheres para inspirar as mulheres a viajar, o 7 relatos de mulheres para te inspirar a viajar sozinha. E é muito legal que até hoje recebo comentários de mulheres se encorajando devido às histórias ali relatadas. Gratificante estar no meio delas! =D

Anúncios

5 Respostas para “Peru (Cusco, Aguas Calientes – Machu Picchu, e Ollantaytambo)

  1. Viajar sozinha tem suas vantagens, você terá total liberdade para fazer o que quiser 😉 Viajar com companhias é ótimo,porém dependendo da situação, sempre tem alguém que não concorda com seu roteiro ou quer fazer algo totalmente diferente do que você. Vou viajar para Argentina, Uruguay e Chile este ano, e estou super animada em ir sozinha 🙂 Ano que vem quero muito ir para o Peru, pois Machu Picchu é um sonho, um lugar que está na minha bucket list. Quero muito fazer a famosa Trilha Salkantay, aquela que tem em torno de 5 dias de duração. Sei que não é uma trilha fácil, mas a paisagem deve valer a pena todo o esforço 🙂
    Parabéns pelo blog
    Um grande abraço

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá Josiane 🙂
      Vc tem razão, são experiências bastante diferentes, mas ambas são válidas!
      Que legal o seu roteiro, só passei por Buenos Aires há alguns anos. E quero muito voltar e poder fazer o Chile e Uruguay um dia!
      Conheci algumas pessoas que fizeram a trilha de 5 dias que termina em Machu Picchu e disseram que é algo único! O lugar tem toda uma energia, eu imagino que ficar longe de tudo por 5 dias e finalizar com aquela vista tenha um poder especial. Fiquei com vontade de fazê-la um dia tb.. quem sabe =)
      Boa sorte na sua viagem e obrigada!
      Abraços

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s